24 junho, 2013

[Conto] Romance de Banca | Parte 4

Parte final do conto Romance de Banca, escrito por Sâmella Raissa. Para ter acesso as partes anteriores, clique AQUI.

10 anos haviam se passado desde aquela tarde de sexta-feira em que tudo havia começado. Tudo o que eu estava vivenciando naqueles últimos anos se devia àquela tarde, e eu era totalmente grata por isso.
Muitas mudanças haviam ocorrido desde então, mas, claro, eu continuava a mesma bookaholic de sempre. Ou talvez mais apaixonada por livros do que antes. E não, eu não havia levado ninguém à falência com esse meu amor pelos livros. É fato que vez ou outra eu extrapolava um pouco nas compras, era difícil resistir a passar na frente de uma livraria ou um sebo e não parar para dar uma olhadinha básica... Mas ao menos eu estava entrando nos eixos, do meu jeito. As instruções de economia que ele me dera alguns anos antes havia nos poupado de prováveis grandes despesas durante todo esse tempo... – principalmente nas épocas de Bienal e feiras literárias, as quais eram impossíveis de se resistir.

E, bem... quando digo ele, é claro que estou me referindo ao James. Afinal, que outro garoto num raio de cinco quilômetros gostaria de conviver tanto tempo com uma garota apaixonada por livros, e que, constantemente, se atolava em contas referentes a livros e que já havia lotado toda a estante da sala de estar de casa? Bem, eu não conheço nenhum outro senão ele, e fico feliz por isso. James e seu jeitinho único e apaixonado por livros me faziam crer, cada vez mais, que nós havíamos nascido um para o outro – talvez você ache que eu li romances demais para dizer algo desse tipo, mas é verdade. Ele simplesmente me entende e me completa.
Me lembro como se fosse hoje daquela tarde na livraria, quando a gente decidiu trazer o romance dos livros para a vida real. Começamos a namorar naquele mesmo dia, e qual foi a minha surpresa ao constatar que, não bastasse ele ser o rapaz incrível que era, ainda teve a coragem – sim, coragem mesmo – de ir pedir ao meu pai para namorar comigo. Não me lembro de ter sorrido tanto como naquele dia, parecia um sonho! E, bem, dois anos depois estávamos na igreja, nos casando, e, horas depois, desembarcando na lua de mel em Nova York, onde, claro, residia a loja física da Barnes & Noble – simplesmente, uma das maiores e melhores lojas para se comprar livro internacionalmente falando – e a gente não podia deixar de conferir. Depois disso, já de volta ao Brasil, tratamos de mobiliar nossa casinha e começar a viver a vida de bookaholics casados. A nossa história não poderia ter tomado um rumo melhor!
– Isabella, sabe dizer se a minha compra no Book Depository já chegou? – O James entra em cena de repente, atrapalhando a minha narração. Que ótimo.
– Não, não chegou ainda. – “Infelizmente”, acrescente mentalmente. Também estava ansiosa para ler Fins Are Forever, o grande desfecho da trilogia escrita pela Tera Lynn Childs. – Mas chegaram aquelas compras que fizemos no último surto promocional do estoque de livros do submarino.
Só tive tempo de me virar e vê-lo entrar correndo no quarto, sorrindo de orelha a orelha, perguntando sobre onde estavam os pacotes. Indiquei o grande embrulho no canto esquerdo da cama, ainda lacrado e ele foi todo animado abri-lo. Eu só conseguia sorrir diante daquela cena.
Mas bem, como eu ia dizendo...
– Eu ouvi falar em compras e submarino? Tem alguma coisa para mim, mamãe, papai?
Ah... eu disse que nós tínhamos uma filha, não é? Não? Pois bem, aquela era a Vanessa – homenagem literária à Vanessa do livro A Gente Ama, A Gente Sonha, de Fabiane Ribeiro, livro que eu amo demais! –, nossa garotinha de sete anos tão apaixonada por livros quanto nós! Apesar de não ler a maioria dos que tínhamos na estante, pela sua idade, ela sempre vibrava com cada aquisição nova, e dizia estar superempolgada – e garantida – para quando crescesse. Seria a sua biblioteca particular. Até lá, ela se contentava com histórias infantis e os gibis da Turma da Mônica.
Num salto, abracei aquela menina pequena e sorridente, e acompanhamos a “incrível jornada” do James em conseguir abrir a caixa onde as compras estavam... Elas sempre pareciam vencê-lo, não importava o quão fossem frágeis. E, bem... tá, eu mencionei que ele era desajeitado para atividades como essa, não é? Oi? 

3 comentários:

  1. Que final perfeito! Adorei o conto desde a parte 1 *--*
    E o James pedindo ela em namoro para o pai dela? Hooin ^~^ Isso sem falar da Vanessa, filhinha super fofa dos dois!
    Na parte 1, lembro da Isabella ter falado algo como "nunca namorei nenhum menino porque são todos imaturos", e com o tempo, em um lugar imprevisível (ok, talvez nem tããão imprevisível) ela encontrou a pessoa certa ♥
    Em fim, amei ^^

    Beijos ;)

    ResponderExcluir
  2. Awnnnn que final divo e perfeito flor! Amei, e você escreve muitooo bem!

    Uns tempos atrás te indiquei numa tag, se gostar podia postar aqui?? Bjs

    sweetsecretfantasy.blogspot.com.br/2013/06/tag-5-factos-sobre-mim

    ResponderExcluir