07 julho, 2013

[WebSérie] Estrela da Noite - Capítulo 19 (Final)

Este capítulo é parte integrante da WebSérie "Legally Friends", escrita por Sâmella Raissa. Para ter acesso aos capítulos anteriores, clique aqui

Estrela da Noite

Quando eu deixei o meu assento, na expectativa de poder ir dar um grande abraço na minha amiga, esbarrei-me em ninguém menos que Belinda Joy Anderson, que parecia ter ficado paralisada com toda a peça. Porém, ao me ver, voltou a assumir seu semblante de raiva e seu tom de voz cínico.
– Não basta atrapalhar a minha chance de subir ao palco, ainda tem que se esbarrar comigo no corredor. – Ela bufou.
– Para falar a verdade, você também não cooperou nem consigo mesmo e só ajudou ao meu plano dar certo. – Falei, nem um pouco intimidada. – Sendo sincera, eu realmente queria que a Anneliese assumisse o papel, mas achei que fosse ser preciso te trancar num armário. Mas, na verdade, você acabou colocando tudo a perder por conta própria. E justo com a Stella.
Ela claramente não gostou das minhas palavras, mas era apenas a verdade. Conclui, por fim:

– É uma pena que uma garota tão bonita e inteligente como você possa ser tão fútil assim, Belinda. Realmente, é lamentável ver alguém da sua “classe” tratando os outros de forma tão inferior, mesmo estando ao nível de muitos alunos aqui no colégio, por assim dizer. – Ela parou de me encarar, e vi que o meu falatório estava surtindo efeito. – Não diga que sou chata porque estou apenas tentando abrir seus olhos para a realidade. Só se convive bem no mundo se você também saber conviver com as pessoas. Não é obrigada a gostar de ninguém, mas apenas respeitar. Pense nisso, tá?
Afastei-me calmamente, observando uma Belinda pensativa e abatida para trás, e correndo em direção aos bastidores do teatro, não sem antes, durante o caminho, levar algumas cotoveladas no meio do monte de pessoas que queriam falar com a “estrela da noite”, e então, finalmente, consegui aproximar-me do camarim do Anneliese, ainda vendo claramente a aglomeração de pessoas ao meu redor, parabenizando os demais atores e alguns ainda lutando para falar com ela. Sorri, olhando aquele cenário, feliz pela minha amiga, e tão rápido adentrei ao seu camarim, que não notei que ela não estava sozinha.
– Anneliese, você viu quantas... – A minha voz morreu ali, num misto de surpresa e vergonha.
Logo a minha frente, Anneliese estava em pé ao lado da penteadeira, e um Felipe incrivelmente tímido estava ao seu lado, com um buquê de flores – ou melhor, tulipas – em mãos. Ele corou ao meu ver ali, totalmente paralisada, e por um segundo achei que ninguém fosse dizer nada, mas então a “estrela” decidiu se pronunciar primeiro:
– Ah, oi, Clara. – Ela corou um pouco, com aquele velho sorrisinho tímido. – O Felipe apareceu aqui para me dar os parabéns pela peça e trouxe esse buquê para mim, não é lindo? – Ela sorriu largamente, contribuindo com o sorriso que surgiu pouco depois nos lábios do garoto em questão.
Era só impressão ou o Felipe também estava corando?
– É, é lindo, sim, Anneliese. – Balbuciei, ainda em choque com a cena. – Mas, Felipe, o que você...
– Ah, olha só, Anne, depois a gente conversa mais, tá? Tenho que ir agora. E, mais uma vez, você arrasou na peça, hoje. - Felipe me interrompeu bruscamente, dando um rápido abraço nela, como se pensasse que eu não iria notar. – Tchau para você também, Clara. – E saiu fechando a porta atrás de si.
Completamente atordoada, demorei um tempinho para digerir toda a situação novamente, e quando eu já ia falar alguma coisa, foi a vez da Anneliese intervir:
– Ah, Clara, essa noite foi mágica! – Ela sorriu de orelha a orelha. – Ainda não consigo acreditar que fiz isso, parece até um sonho! – Suas mãos pararam sobre seu rosto; ela ainda estava sob estado de choque e emoção. Eu apenas sorri. – Um sonho que você ajudou a realizar. Pensa que eu teria simplesmente decorado todo aquele texto sem ninguém para me incentivar? – Ela abaixou as mãos e se aproximou, parecendo prestes a chorar. – Você é incrível!
Nos abraçamos rapidamente e eu retribui: - E você merece isso! Agora não tem mais desculpas para não correr atrás de seus sonhos. E precisando de uma mãozinha, sabe que poderá sempre contar com seus amigos.
Ela se desvencilhou do abraço, ainda sorrindo, e voltou-se para a penteadeira. Passado alguns segundos de silêncio, decidi, por fim, quebrá-lo.
– Mas, diz aí, o que foi isso do Felipe... – Tentei, mas ela me parou antes disso.
– Olha, Clara, obrigada mesmo por tudo! – Ela repetiu, apressada e ligeiramente corada. – Mas já está tarde, né? Você precisa voltar para sua casa, seus pais devem estar preocupados. – Me empurrou até a porta. – Até amanhã! – E fechou-a.
Ok, não era assim que eu esperava conseguir respostas sobre a situação, mas, bem, isso já é uma outra história.

Um comentário:

  1. "Não é obrigada a gostar de ninguém, mas apenas respeitar. Pense nisso, tá?" - virei mais fã ainda da Clara depois das suas verdades pronunciadas u__U
    E o Felipe e a Anne? Hoooin *----*
    Tudo acabou perfeitamente bem, não poderia ter sido melhor ♥
    Ansiosa pelos próximos capítulos/episódios (como sempre).
    Beijos ^~^

    ResponderExcluir