22 setembro, 2013

[WebSérie #2] A Fórmula do Amor - Capítulo 07

Este capítulo é parte integrante da WebSérie original "Legally Friends", escrita por Sâmella Raissa. Para ter acesso aos capítulos anteriores, clique aqui. Favor não copiar o texto sem antes ter a permissão da autora.

Coisa de Amiga

Num minuto, eu estava saindo do banheiro.
No outro, já estava tentando consolar a Andrea.
E até então, ainda não sabia (com certeza) do quê.
– Andrea, por favor, para de chorar e fala o porquê de estar assim! – Eu pedia incessantemente, tentando soar o mais amigável possível.
Foi aí que ela desatou a chorar ainda mais.
– Não, não, não, não...!
Eu e o Marcos nos entreolhamos, tanto um quanto o outro sem saber o que fazer a partir dali. E ele, esperto do jeito que era, logo aproveitou a deixa das caixas para evaporar dali, passando a bola para mim. Que ótimo.

Continuei calada por mais alguns segundos consolando a Andrea – ou apenas tentando –, até que, no entanto, não me aguentei mais e voltei a questioná-la, dessa vez com mais calma. Ela voltou a chorar mais abertamente e foi quando eu não me aguentei mais e bradei, quase descontrolada:
– Foi o Arnaldo, não foi?! Aquele idiota te passou a perna de novo?!
Ela assentiu brevemente. Então, após uma longa – e dramática – fungada, ela, enfim, explicou a situação.
– Eu... eu... Eu estava v-vindo para cá q-quando avistei o Arnaldinho aos be-beijos com a Ma-Ma-Macy na pracinha... – As palavras saindo atropeladas pelo choro. – Eu fui a-até lá para bri-brigar com ele, mas, dessa vez, ele disse que n-não queria mais saber de mim, que não me amava ma-mais!
Sorte a sua, Arnaldo, que estou consolando a minha colega, porque, do contrário, eu já estaria indo atrás de você para dar-lhes uns bons tapas!
Depois disso, só consegui continuar a minha tentativa de consolá-la, embora seu choro não parasse. E, como já era de se esperar, Marcos reapareceu na sala, olhando torto para a situação, mas com uma postura de quem mais parecia não saber o que fazer perante àquela situação. Sorri levemente para ele, tentando tranquilizá-lo, mas então ele apontou para o relógio e eu vi que já estávamos atrasados 37 minutos para abrir a farmácia. Suspire, por fim, então tentei levantar calmamente a minha colega, que ainda soluçava. Passado alguns minutos, ela já estava se recompondo de verdade, e foi quando Marcos decidiu que seria melhor que ela fosse para casa, para esfriara cabeça. Surpreendentemente, Andrea recusou o pedido, e tão logo a vi sair do banheiro, pouco depois, com uma aparência melhor, como se nem tivesse chorado tanto quanto realmente o tinha feito.
Tratou rapidamente de assumir sua posição na caixa, e logo estávamos com as portas abertas, atendendo os clientes que, surpreendentemente, foram muito bem recebidos pela Andrea. Ela lhes esboçava um sorriso gentil logo que adentravam à farmácia; qualquer um que não soubesse do que havia acontecido naquela manhã diria que ela estava ótima! Mas eu sabia que devia estar uma pilha por dentro, e, por isso mesmo, já me preparava para tentar mudar o clima dela logo que o expediente acabasse. Sabe, amigas são para isso...
O tempo continuou a se passar, e, finalmente, o trabalho acabou, levando, com ele, aquele sorriso resplandecente que a minha colega carregava no rosto. Bastou fechar as portas para ela desmoronar – literalmente – no banheiro. Precisei da ajuda do Marcos para abrir a porta, e então a encontrei sentada no cantinho, chorando novamente.
– Ok, já chega disso, Andrea! – Bradei de repente, furiosa, tanto com a Andrea como, principalmente, o Arnaldo.
Adentrei rapidamente ao banheiro, e logo me vi saindo de lá puxando-a pelo braço, não importava suas reclamações. Então a fiz sentar numa poltrona que havia num cantinho e falei, olhando-a fixamente e muito séria:
– Escuta aqui. Eu não vou deixar você continuar chorando por aquele idiota do Arnaldo; acredite em mim, é desperdício de lágrimas. Você tem mais é que comemorar por terminar com ele. – Percebi quando ela quis voltar a chorar naquele momento, mas acrescentei rápido: – Por isso, agora, você vai mostrar para ele que ele não te merecia e que você está muito melhor sem ele, afinal, uma mulher não precisa necessariamente de um homem para ser feliz, querida.
Ela continuou a me fitar por algum tempo, com uma expressão meio torta, mas, aos poucos, foi amolecendo e aceitando a ideia. Por fim, mais calma e controlada do que antes, ela parou por um segundo, pareceu pensar um pouco mais, e então indagou:
– O que tem em mente, Srta. Expert em Relacionamentos?
Sorri, triunfante, anunciando:
– Você está intimada a ir ao shopping, dar uma repaginada no visual e mostrar ao Arnaldo que você merece muito mais.

2 comentários:

  1. Li este capítulo já me empolgando com que o próximo pareceu prometer... Quer dizer, se eu já pude conhecer um pouquinha da Susana, sei que ela reserva boas surpresas para a amiga... Um banho de loja e salão, talvez? Ah, tomara! Não só porque a Andrea precisa de uma erguida na autoestima, mas também porque eu amo ler/ver esse tipo de coisa em livros e filmes!

    Simplesmente amando cada parágrafo.

    Beijos ♥ blogjeitounico.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Pobre Andrea, traída de novo. :( Mas fiquei aliviada com esse término, mesmo sendo meio sofrido pra ela, porque com um namorado assim, que é que precisa de inimigo?
    Tomara que, com a ajuda da Susana, a Andrea consiga dar a volta por cima desse relacionamento verdadeiramente traumatizante que ela teve com o Arnaldo.
    Status: muito ansiosa pra saber o que vem daqui pra frente! Sâmmy, acho que eu já disse (tenho certeza que eu já disse, mas vou repetir) isso, mas: você escreve extreeeeeemamente bem, é impossível não viciar em suas WebSéries!
    Beijos! ♥

    ResponderExcluir